01 agosto 2009

Quando comecei a fazer teatro na cidade gigante de São Paulo, a primeira coisa que procurei foi achar a minha turma.

Fui até a turma do teatro político, me apresentei e tomamos algumas cervejas juntos. Ouvi eles reclamarem que não estamos fazendo nada para melhorar nossa condição. Ouvi dizerem que o melhor teatro é o deles. Tentamos fazer uma peça juntos, mas não deu certo, porque todos estávamos sem grana. Tentamos fazer um movimento para ganhar verba do governo, e ainda estamos fazendo reuniões públicas sobre isso.

Fui até a turma do teatro de grupo. Gosto do teatro deles. Eles também são ativos politicamente. Tomamos café juntos e conversamos. Não pude fazer peça com eles, mas deixaram que eu estagiasse como contra-regras. Carreguei cenário deles. Ajudei a fazer produção pra eles. Eles me estimularam muito para fazer meu próprio grupo.

Fui até a turma do teatro musical. Primeiro perguntaram o que eu estava fazendo ali, e me apresentei. Me levaram para fazer alguns testes. Me apresentaram para produtores importantes. Cheguei até a transar com algumas modelos. Sugeriram que eu morasse no Rio.

Fui até a turma do teatro da periferia. Me acolheram com entusiasmo. Trabalhamos com as crianças. Fizemos uma peça e apresentamos. Fizemos outra. E mais uma depois. Sugeri que procurássemos patrocínio. Estamos procurando.


No final das contas, contei tudo aos meus antigos amigos. E eles perguntaram se não poderíamos fazer uma peça juntos. Estamos apresentando até hoje....

2 comentários:

Silvia disse...

Morar no Rio foi a pior sugestão...ahaha!

Alê Cardoso disse...

E assim seguirá, a Cia Duplo Zero de teatro!